quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Pelourinho de Vila Viçosa

Fronteiro à Porta da Torre, no local onde antigamente se situavam os Paços do Concelho e da Cadeia Pública, ou seja, na Praça Velha, mais ou menos a meio da actual Avenida dos Duques de Bragança que acompanha a cerca amuralhada desde os Agostinhos até à Igreja da Esperança, ergue-se um dos mais belos e elegantes pelourinhos que subsistem em Portugal, constituindo um verdadeiro ex-libris desta Vila-Museu.

Seu fuste quadrangular de pedra xistosa inteira com oito metros de altura, assenta sobre uma base de mármore ornada de quatro toscas figuras de rã esculpidas à moda românica. É rematado por uma elegante roca esferóide, também de mármore regional, aberta, golpeada e enfeitada de festões e folhas de acanto.

De rara beleza, de indiscutível valor artístico e documental, este símbolo do poder local e da justiça oficial, é exemplar notável e único na sua traça.





In Vila Viçosa – História, Arte e Tradição

Imagens in Vila Viçosa - Vila Museu e Olhares

Para votar no Pelourinho de Vila Viçosa envie um e-mail para orestaurador@gmail.com ou terrasdemarmore@sapo.pt

2 comentários:

José Corvo disse...

"Pelourinho ou picota são colunas de pedra colocadas em lugar público da cidade ou vila onde eram torturados e expostos criminosos. Tinham também direito de pelourinho os grandes donatários, os bispos, os cabidos e os mosteiros, como prova e instrumento da jurisdição feudal."
Quantos crimes a Inquisição não cometeu nestes pelourinhos... Os pelourinhos são para esquecer e não para recordar ou enaltecer por muito vistosos que sejam. Apenas por razão histórica devem ser mantidos mas convinha que o povo de hoje conhecesse as agruras de quem ali foi queimado vivo.

Joana disse...

Os Pelourinhos eram símbolos da autonomia municipal, símbolo da liberdade dos seus habitantes expressa no seu Foro próprio. O Pelourinho actual de Vila Viçosa, dos séculos XV-XVI, não assistiu a quaisquer execuções (estavam reservadas para o vizinho "Outeiro da Forca"). Após o século XV os pelourinhos deixam de ser o local privilegiado para se cumprir a pena de morte. F.D.